terça-feira, 12 de agosto de 2008

O assaltante

Já havia se passado várias horas desde que, em pleno meio dia, um grupo de adolescentes resolveu assaltar o Banco Itaú. Trouxeram apenas alguns fuzis, coisa que ninguém sabe aonde conseguiram. Mas vamos aos fatos. Neste momento K. está com seu fúzil colocado na boca de um cidadão, enquanto lá fora dezenas de policiais negociam alguma solução para este caso incomun.

No momento eu sou um expectador desses acontecimentos, infelizmente ou felizmente, dependendo de como vai terminar isso aqui, eu acabei decidindo ir ao banco. Claro que nunca passaria na minha cabeça que adolescentes iriam entrar aqui e apontar armas sobre a minha cabeça.
Mas pouco importa. Não ache estranho você, que eu esteja relativamente calmo para quem está numa situação dessas. Eu lhe explico o porque: Esse K. me fascina! Não é o dinheiro que o faz ele e seus amigos assaltarem este banco, e sim a oportunidade de abrir os olhos do mundo. Ele é meu herói. Mesmo estando esse K. com um fúzil em minha boca, eu o considero meu herói.
Há poucas horas atrás eu o odiava, e junto com ele eu odiava toda a sociedade, que com seus meios acabam por criar pessoas como esse K. que só pensa em dinheiro, dinheiro e mais dinheiro. Mas em um certo momento K. começou a falar de algo que me impressionou...

"Porque eu não posso fazer isso? É errado fazer o que faço? O que é errado? Ah, parecem ignorantes! Policiais matam por prazer, pessoas matam por prazer! Eu sou louco? Quem aqui nunca teve vontade de pegar uma metralhadora e sair lascando com tudo, ou até mesmo achar um Death Note? Porque vocês acham que a Assótia do Sul está em chamas? Economia? Dinheiro? Países não comem suas próprias fezes para economizar, eles matam para ganhar dinheiro, mas apenas porque eles sentem prazer em matar e não perdem a chance de poder fazer isso, usando como sua auto-desculpa o fato de que é o futuro do país que está em jogo! Ah meu Deus! Não, não! O que eu faço é errado? Ainda não acabei com ninguém aqui, apenas assustei vocês, mas quem sabe do futuro?"

"Eu sou um filho bom, embora seja por puro fingimento, mas meus pais acham que eu sou um filho bom. Eu sou um aluno bom! Eu ainda estudo meus amigos, e não preciso de dinheiro, e não estou aqui por dinheiro. Estou aqui porque acordo e vejo nas noticias: Geórgia, Russia, guerra e guerra. Eu não suporto isso! Esse fingimento todo! Ah, pois tenho amigos leais, faço parte de uma geração que acabou por se acostumar com tudo isso aqui! Somos os filhos dos pós-guerras. Somos filhos do 11 de Setembro. Pois bem, eu venho aqui para abrir os olhos de vocês, o que tá acontecendo aqui? Me respondam? Porque todos vocês sonham com algo e fazem das suas vidas o oposto? Melhor, melhor! Me respondam, porque um chinês esfaquiou um casal de americanos, e depois se matou? Ele não era louco, eu não sou louco! Apenas quero que me respondam, aliás respondam se quiserem, apenas pensem! Agora eu me calo! E digo, termino com tudo isso aqui apenas quando me responderem! E não usem o nome de Deus, ou qualquer tipo de injuria, respondam apenas colocando vocês no lugar daquele chinês!"

E assim ele falou. Depois de um tempo, sem encontrar respostas para as suas perguntas, teve uma crise de sei lá o que, e agora está com esse fuzil em minha boca. Eu só sei que ele é fascinante, e ele conseguiu abrir meus olhos, e nada importa para mim agora.
---------------------------------------------------------
Devaneios insaciáveis de uma mente sem fim---Assiris

14 comentários:

nicestthing disse...

Isso é clichê, mas tenho que dizer que esse texto está ótimo.

Sabe, nem eu tenho respostas para as perguntas citadas no texto. Então, se dependesse de mim, iria ficar o tempo todo ali, com um fuzil na boca.

Rodrigo disse...

So esta tantinho de arma... ?
Isso ja é arma di mais

Rafael Duarte disse...

Cara muito maneiro seu tamplete *-*!

Ricardo Thadeu disse...

PQP! Muy bueno, camarada.

Markynhu disse...

Apotar o dedo na cara da sociedade e idolatria a um suejito naum sao bem questoes existencialista, naum acha? Pelo menos naum daquilo que eu entendo por existencialismo... cuidado com os jargoes.. O texto esta muito bem escrito... Vc tentou dar um tom absurdo ao caso, a referencia a Kafka com o personagem K. mostra isso... a narrativa ficou de fato absurda, mas de certa forma inverossimel... O absurdo brota do cotidiano... do cara se ve transformado em uma barata eh que tem com maior preocupacao o fato de faltar ao servico...

http://markynhugameover.spaces.live.com

João Marcos disse...

Se todos tivessem respostas para essas perguntas,o planeta não viveria o caos que está hoje.O homem está se destruindo com as próprias coisas que inventou.É como um suicídio.

http://clicktudonet.blogspot.com

Rindo Na Net disse...

otimo texto..voce escreve muito bem..
parabens..

An@Lu disse...

muito forte esse texto. mas o que tem de forte tem de bonito e bem escrito. valeu a pena ter vindo aqui!

Tania Montandon disse...

Adorei esse texto!

Ficou gostoso de ler, parabéns!

bjo

cercada de idiotas! disse...

death note;sociedade;não cite Deus ou qualquer tipo de injuria.
parabéns! (:

Grupo Saber Viver disse...

Como sempre belos posts, e eu gostaria de tambem avisar que o grupo GSV ( Grupo Saber Viver ) voltou a atualizar o blog que agora esta de cara nova, aviso especial para pessoas especiais. Abraços do grupo GSV

'emilio vieira disse...

poo cara, amei o texto .
abçs :*


www.poiszee.blogspot.com

cercada de idiotas disse...

hahaha
desculpa, eu acho XDD

Cyntia Taborda ") disse...

Eiiiee!
passando pra "divulgar" meu blog ;)
iniciante sabee?!hehehe

ta lindoo akii *.*
Adoreii!

Da uma força la? :D
Beijoo

 
TOPO
©2007 Elke di Barros Por Templates e Acessorios